Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:

DA FINALIDADE

Este Normativo de Administração tem por finalidade redefinir e regulamentar a Estrutura Organizacional do Conselho Federal de Medicina - CFM, com base no Regimento Interno aprovado pela Resolução CFM nº 1998/12.

 

DOS CONCEITOS

- Entende-se por estrutura organizacional a forma pela qual as funções, atividades, tarefas e operações são divididas, planejadas, organizadas, coordenadas e controladas para melhor proporcionar à consecução dos objetivos e metas pré-estabelecidos.

- Entende-se por organograma o gráfico representativo da estrutura formal da organização, mostrando as unidades organizacionais e a forma hierárquica como elas se relacionam.

- Entende-se por descrição de competências o detalhamento das atividades inerentes às unidades que integram a estrutura organizacional do CFM.

 

DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

A estrutura organizacional do CFM contempla o processo de divisão do trabalho e a alocação de responsabilidades e está assim definida:

- Plenário: órgão superior de decisão colegiada;

- Conselho Pleno Nacional dos Conselhos de Medicina: órgão colegiado de assessoria política;

- Diretoria (Presidente; 1º, 2º e 3º Vice-Presidentes; Secretário Geral; 1º e 2º Secretários; 1º e 2º Tesoureiros): órgão principal de decisão colegiada;

- Departamentos, Câmaras Técnicas, e Comissões Permanentes e Temporárias: órgãos colegiados específicos;

- Gabinete, Coordenações e Setores: órgãos de apoio operacional às atividades estratégicas e tático/operacional do CFM.

 

DO ORGANOGRAMA

organograma-sintetico

estrutura organizacional cfm

 

Clique aqui para visualizar as competências organizacionais de cada estrutura.



SETOR DE CONTROLADORIA - SECOT Imprimir E-mail
Qua, 10 de Julho de 2019 10:10

Finalidade: coordenar os serviços de controladoria.

Compete ao SECOT:

  • Fiscalizar a aplicação e as transferências de recursos a entidades públicas ou privadas;
  • Acompanhar os contratos e convênios firmados com entidades públicas ou privadas, para ações de cooperação, prestação de serviços, execução de obras e fornecimento de materiais;
  • Auditar os processos de licitação, inclusive na modalidade pregão, as dispensas e as inexigibilidades;
  • Fiscalizar os instrumentos e sistemas de guarda e conservação dos bens móveis, imóveis e de consumo sob a responsabilidade das unidades gestoras;
  • Acompanhar os atos administrativos que resultem direitos e obrigações;
  • Verificar o cumprimento das normas internas e da legislação pertinente;
  • Analisar os processos relacionados à confecção de folha de pagamento e avaliar os processos de movimentação de pessoal: admissão e desligamento;
  • Monitorar as recomendações indicadas no resultado dos trabalhos de auditoria independentes;
  • Auxiliar e dar suporte aos trabalhos da Comissão de Tomada de Contas do CFM;
  • Avaliar o cumprimento da Lei de Acesso à Informação;
  • Realizar outras ações pertinentes a atribuições de auditoria interna em entidades públicas estabelecidas pelo Tribunal de Contas da União e/ou por outros regramentos da Administração Pública relativos à controladoria pública.

 

 
<< Início < Anterior 1 2 Próximo > Fim >>

Página 1 de 2
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br | CNPJ: 33.583.550/0001-30