Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Participantes debatem o exame de egressos no II ENCM 2018 Imprimir E-mail
Qui, 13 de Setembro de 2018 09:21

Presidente do Cremesp (à esquerda) defende avaliação seriada
As chances de aprovação do projeto de lei que prevê um exame seriado para os estudantes de medicina e as propostas do CFM para a melhoria do ensino médico foram debatidos no painel "Exame obrigatório de ensino e dos egressos dos cursos de medicina", debatido na manhã de quarta-feira (12), durante o 2º Encontro Nacional dos Conselhos de Medicina 2018 (ENCM), realizado de 12 a 14 de setembro, na sede do Conselho Federal de Medicina (CFM), em Brasília. Os conferencistas desse painel foram o presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), Lavínio Camarim, e o coordenador da Comissão de Ensino Médico do CFM, Lúcio Flávio Gonzaga Silva.

Os últimos resultados do Exame do Cremesp e as negociações em torno da aprovação do projeto de lei do Senado 165/17, que prevê a criação de um exame nacional de proficiência em medicina, foram apresentados por Lavínio Camarim. Após trabalho parlamentar realizado no Congresso, o senador Ronaldo Caiado (DEM/GO) apresentou, na Comissão de Educação, um substitutivo ao PL 165/17 prevendo que a avaliação seja regulamentada pelo CFM. "A nossa posição é que o exame seja seriado, já que o terminativo não resolve o problema da educação médica", afirmou Camarim.

Segundo o presidente do Cremesp, nos trezes anos de existência do Exame aplicado pela entidade, o índice de aprovação dos estudantes tem crescido paulatinamente. Na edição de 2017, a média de aprovação foi de 65%, sendo em torno de 87% nas faculdades públicas e 51% nas escolas particulares. No início do exame, a média das escolas particulares não chegava a 30%. Nos Estados Unidos, os índices de aprovação em exames semelhantes variam de 95% a 97%. Por fim, defendeu uma regulamentação do exame dos egressos. "Temos de propor, pois se não o fizermos, outras entidades farão", argumentou. Acesse, aqui, a apresentação do presidente do Cremesp.Conselheiro Lúcio Flávio apresentou propostas do CFM para o ensino médico
 

Ensino médico - Em seguida, o coordenador da Comissão de Ensino Médico do CFM, Lúcio Flávio Gonzaga, defendeu que a avaliação dos egressos seja "formativa, devolutiva e consequente". O caminho não é punir o aluno, mas realizar avaliações seriadas − no segundo, quarto e sexto ano − que permitam ao aluno refazer sua trajetória de ensino até que seja considerado apto a exercer a profissão.

"O CFM também defende o estabelecimento de pré-requisitos para a criação e continuidade de escolas médicas, a qualificação docente, o Revalida e o Saeme", defendeu. Também é necessário que haja cenários de prática para os estudantes. "Em Fortaleza, onde me formei e fui professor de medicina por 35 anos, havia um hospital de ensino para uma escola médica, hoje temos oito faculdades e continua apena um hospital. O ideal é: para cada escola médica criada, que seja criado um hospital de ensino. Assim se garantiria a qualidade na formação médica", afirmou. Acesse, aqui, a apresentação do coordenador da Comissão de Ensino Médico.

Veja fotos do evento aqui. 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Federal de Medicina -Todos os direitos reservados
SGAS 915 Lote 72 | CEP: 70390-150 | Brasí­lia-DF | FONE: (61) 3445 5900 | FAX: (61) 3346 0231| E-mail: cfm@portalmedico.org.br | CNPJ: 33.583.550/0001-30